Casa Murtal-Cascais

Inserido numa área Habitacional consolidada, o lote em questão encontra-se confinado entre outros lotes, uns já ocupados por construção basicamente a norte, nascente e poente existindo apenas um lote vago a sul.

Apesar de vago, o lote não apresenta uma topografia acentuada, apenas a existência de alguns afloramentos rochosos, cuja qualidade da pedra desses mesmos se encontra bastante degradada, inviabilizando o aproveitamento da mesma. O projecto da moradia tem como base o programa proposto pelo cliente, o qual pretende uma habitação própria para um uso habitual de quatro pessoas, com uma dependência para uma única pessoa de acesso independente à da moradia propriamente dita. O edifício irá desenvolver-se praticamente em dois pisos acima do solo destinados à habitação e um piso abaixo do solo destinado a garagem e arrumos da habitação. 

De morfologia simples e de clara leitura, o edifício proposto é lido como um único volume cujos vazios anunciam a entrada à moradia ou os vãos da mesma. Face aos muros existentes delimitadores do lote que se apresentam com uma altura significante, houve a necessidade de abrir ao máximo o piso térreo contrariando o “enclausuramento” que poderia surgir com a construção. Desta forma o edifício é atravessado por dois eixos horizontais (nortesul) e (nascente-poente) ao nível do piso térreo permitindo a criação de eixos visuais que atravessam a construção e anunciam o que se encontra para além da mesma.

Cliente: António Braz     Ano de projecto: 2012     Fase: Obra em curso

Tags: moradia, arquitectura, arquitecto, cascais