Edifício no Lobito

O Edifício habitacional no Lobito localiza-se na Restinga, tendo vista tanto para o Mar como para o interior da Restinga.

Estando situado em primeira linha de Mar, foi proposto para o alçado Sul uma fachada totalmente envidraçada, com vãos rasgados e varandas com um movimento ondulante sobre um embasamento que receberá espaços comerciais.

O alçado norte, por ser menos privado dado estar virado sobre o casario da Restinga, assumiu-se mais fechado e sem varandas, tendo uma marcação reentrante dos seus vãos.

Cliente: Jembas     Ano de Projecto: 2017     Fase: Estudo Prévio

Edifício nas Necessidades

O projecto irá substituir duas pequenas habitações degradadas junto ao Palácio das Necessidades por um edifício de 5 pisos. O terreno, numa das encostas do Vale de Alcântara, apresenta uma diferença de cota de 2 pisos entre fachadas, o que permitiu que do lado superior este tenha 2 pisos e 4 no lado de cota inferior, sendo o 5º piso uma cave.

O apartamento principal será um duplex T5 que ocupa os dois pisos superiores e que tem acesso ao terraço do prédio. O edifício conta ainda com dois apartamentos T1 e garagem para quatro carros. O piso em cave terá arrecadações e uma sala de condomínio. 

As fachadas propostas seguem a métrica e composição de fachada do Bairro, tendo sido escolhidos acabamentos nobres para o revestimento da fachada, azulejo, pedra e zinco.

A disposição interior irá tirar partido da localização do terreno, o qual disfruta de vistas sobre o Rio Tejo e a Ponte do lado Poente e para a Tapada das Necessidades no lado Nascente. As salas dos três apartamentos foram distribuídas a poente, bem como os quartos quando possível. O apartamento duplex distribui-se pelos dois pisos superiores. No piso 1 localizam-se os quartos, sendo dois deles em suite, tendo o principal closet. No piso 2 localizam-se as áreas sociais do apartamento, constituído pela sala, cozinha com espaço de lavandaria e um escritório, através deste piso tem-se acesso ao terraço, o qual disfruta em pleno da sua localização, com vistas panorâmicas sobre a envolvente.

Cliente: Pedro e Sónia     Ano de Projecto: 2017     Fase: Em Licenciamento

Moradia Alcântara

A construção original data do século XIX, apresentando à data um elevado estado de degradação e abandono. O telhado há muito que deixa entrar água para o interior o que levou a que no alçado sul, a parede exterior de cantaria aparelhada apresente um avançado estado de ruina, ao contrário das restantes paredes exteriores, que apesar de degradadas estão em condições de serem reabilitadas.

A proposta de Arquitectura irá reabilitar e ampliar o edifício existente, adicionando-lhe um piso, o qual irá manter a traça típica do Bairro. Em contraste com a fachada principal e lateral de carácter tradicional em linha com a imagem do Bairro, a fachada tardoz terá um carácter contemporâneo e minimal. Para quebrar a leitura de uma fachada de três pisos, optou-se por desfragmentar a mesma, tanto em termos de acabamentos, como de volumes nos diferentes pisos. O piso inferior será marcado pelos vãos rasgados da sala e cozinha e a forra de madeira que se estende para as paredes laterais do logradouro; o piso 0 terá um volume saliente branco, com um rasgo horizontal correspondente à varanda do escritório e zona de tratamento de roupa, com prumos verticais e paredes em prumos de madeira; o piso dos quartos será revestido a zinco com 6 vãos de leitura vertical.

Cliente: João     Ano de Projecto: 2018     Fase: Em Licenciamento

Moradia Beloura

A moradia existente de tipologia V3 foi construída originalmente em 2003 e recebeu uma ampliação de dois novos quartos no piso 1 superior em 2013. 

O projecto de renovação da casa realizado em 2016, ampliou novamente a casa ao nível do piso 1 ocupando o terraço da suite principal, com cerca de 40m2. Esta área recebeu o novo WC da suíte, libertando área para os dois closet da suite, que passou a ter 75 m2 de área útil. 

No piso 0 a compartimentação interior manteve-se tendo sido melhorada a relação entre a cozinha e a sala de jantar com uma porta de correr dupla que deu à casa uma maior fluidez e interligação entre espaços. A relação com o exterior foi também melhorada com um grande envidraçado de correr duplo na sala de jantar que interliga mais o interior com o deck da nova piscina. 

O hall de entrada passou a ter um pé direito duplo que dá escala à casa e uma maior relação visual entre os pisos, para o que contribui a porta de entrada pivotante de dimensões generosas 1.25x2.20m. 

O exterior da moradia foi renovado tendo o tijolo burro de cor castanha dado lugar a um revestimento em xisto preto de grandes dimensões que marca os volumes da moradia. No jardim a principal alteração foi a construção da nova piscina de 12x5m com uma cascata no eixo visual da entrada surgindo como pano de fundo ao entrar na moradia. O patamar do antigo Pomar foi interligado ao patamar da piscina por uma escadaria, tornando-o um espaço com mais vivência, o que permitiu criar uma zona de grelhados e refeições no exterior. 

Cliente: Dina e Luis     Ano de Projecto: 2015     Fase: Construído

Apartamento Moncada-Luanda

Projecto: Em colaboração com Dhárius - Gestão e Estudos de Projectos

 

O apartamento esta situado no Edifício Moncada Prestige no centro de Luanda, tendo uma tipologia T4 que irá passar a T3 para aumentar as áreas dos seus espaços interiores. A disposição interior será alterada em alguns compartimentos para aumentar a sensação de espaço e funcionalidade. 

 

Cliente: DHARIUS Ano de projecto: 2013 Fase: Em Obra

Apartamento Gika-Luanda

Projecto: Em colaboração com Dhárius - Gestão e Estudos de Projectos

 

O apartamento localiza-se num dos Edifícios Habitacionais sobre o Centro Comercial Comandante Gika em Luanda.

Ocupa os dois últimos pisos (18 e 19) e o terraço. O novo apartamento irá integrar num único apartamento os quatro apartamentos T4 previstos inicialmente, tendo uma área total de 940m2 e um terraço com 427m2.

O programa proposto é extenso, tendo sido dividido a três cotas. No piso 18 localiza-se a área privada da casa, constituída por 2 salas e 5 suites, sendo a master suite constituída pelo quarto, dois closets, casa de banho com zona de sanitários separada da de banhos que conta com duche e jacuzzi, totalizando 100m2 de área. No piso 19 localizam-se as áreas sociais, constituídas por sala de estar de 91m2 e sala de cinema interligadas entre si, dois escritórios, sala de jantar, quarto de empregada e cozinha. O terraço apresenta-se como uma continuidade das áreas sociais, sendo dividido em três áreas: piscina, lounge com Bar de apoio e refeições.

 

Cliente: Dhárius Ano de projecto:2013 Fase: Estudo Prévio

Moradia Maculusso-Luanda

Projecto: Em colaboração com Dhárius - Gestão e Estudos de Projectos

O terreno localiza-se próximo do Centro de Luanda e é actualmente ocupado por uma moradia de dois pisos de linhas tradicionais. 

O programa definido pelo cliente para a moradia é bastante extenso para um lote de 600m2, o que se tornou um desafio de projecto. O programa é constituído na cave por garagem para 8 carros, adega, sala de cinema e instalações de pessoal; no piso térreo ficarão o escritório, sala de estar, cozinha e sala de jantar e 2 piscinas no exterior; no piso 1 existirão 4 suites com closet e biblioteca; o piso 2 receberá a suite principal com dois closet e sala de estar própria, bem como uma sala de jogos. O piso 3 terá sauna, banho turco, sala de massagens e sobre a cobertura jacuzzi e espreguiçadeiras. 

A área de construção resultante deste programa é de 1.700m2 num terreno de 600m2, o que representa um índice de construção elevado para o terreno. 

A imagem da casa é marcada por um jogo volumes e vãos rasgados que procura desfragmentar o programa no terreno para aligeirar o volume resultante. Os espaços interiores são intercomunicantes entre si de modo a reduzir as áreas de circulação.

Cliente: DHARIUS Ano de projecto:2013 Fase: Estudo Prévio

Moradia Dário Silva-Luanda

Projecto: Em colaboração com Dhárius - Gestão e Estudos de Projectos

O projecto da moradia foi desenhado do interior para o exterior, a partir do jardim interior como elemento de ligação dos espaços sociais. A sua posição central serve de elemento unificador da sala de estar, jantar, cozinha e o hall da casa. Este jardim traz um elemento verde ao interior da moradia, e o seu duplo pé-direito introduz luz natural nos espaços de circulação.
O interior da moradia é marcado pelo duplo pé-direito central e pela escada que interliga os dois pisos com os seus degraus de madeira em consola, enquadrada numa parede revestida a madeira com 6,20m de altura.
No piso térreo da moradia localizam-se as áreas lúdicas da moradia que incluem ainda um escritório e garagem, reservando-se para o piso superior a área privada da casa constituída por 2 suites, contando a principal com closet, 2 quartos e sala de TV. Todos os espaços têm varanda privativa.
A distribuição interior do programa é feita em três eixos longitudinais, ocupando a circulação e o jardim interior a posição central. A imagem exterior reflecte esta distribuição como é bem visível no alçado de tardoz, marcado pelos dois volumes dos quartos que pousam sobre o volume térreo das salas de estar e jantar. A fachada apresenta grandes áreas envidraçadas que introduzem luz natural no interior de uma forma generosa.
O espaço de lazer exterior conta com piscina de adultos, crianças e jacuzzi enquadrados em relva e deck, e é uma continuidade dos espaços interiores da moradia, tendo comunicação directa com a sala de estar e jantar da moradia e a área de lazer do anexo. Este último conta no piso térreo com sala com cozinha e grelhador, balneário de apoio à piscina, arrumos, e no piso superior sala de estar e quarto. Conta ainda com casa do guarda, gerador e tratamento de roupa no piso térreo.

Cliente: Dhárius Ano de projecto:2012 Fase: Em construção

Loteamento em Camama-Luanda

A zona habitacional de Camama situa-se em Angola, a cerca de 20km a sul de Luanda e é uma nova área de expansão da capital. O projecto de loteamento abrange uma área de 11ha, inserindo-se no plano de 1000ha do Governo Angolano para Camama.

O projecto apresentado é o estudo prévio de um dos quarteirões do Loteamento. Este é constituído por dois edifícios de habitação que se encontram “pousados” sobre um embasamento onde se localiza o estacionamento e vários equipamentos de apoio, como recepção, ginásio e salas de condomínio. A solução de embasamento permite que o espaço entre os edifícios funcione como uma cobertura verde formada por jardins privativos e de uso comum, e uma piscina e respectiva zona de lazer. Ao estar localizada a uma cota superior em relação à rua, esta área usufrui de privacidade em relação ao exterior do condomínio. A linguagem desfragmentada dos volumes habitacionais, reduz o impacto que os mesmos provocam na paisagem e as palas e varandas que o compõem, servem de elementos de sombreamento, reduzindo a exposição solar.

No total são propostos 48 fogos, de tipologias T2, T3 e T4. Os interiores amplos e funcionais vão de encontro a uma vivência contemporânea.

Cliente: VSV Ano de projecto:2014 Fase: Loteamento

Casa Murtal-Cascais

Inserido numa área Habitacional consolidada, o lote em questão encontra-se confinado entre outros lotes, uns já ocupados por construção basicamente a norte, nascente e poente existindo apenas um lote vago a sul.

Apesar de vago, o lote não apresenta uma topografia acentuada, apenas a existência de alguns afloramentos rochosos, cuja qualidade da pedra desses mesmos se encontra bastante degradada, inviabilizando o aproveitamento da mesma. O projecto da moradia tem como base o programa proposto pelo cliente, o qual pretende uma habitação própria para um uso habitual de quatro pessoas, com uma dependência para uma única pessoa de acesso independente à da moradia propriamente dita. O edifício irá desenvolver-se praticamente em dois pisos acima do solo destinados à habitação e um piso abaixo do solo destinado a garagem e arrumos da habitação. 

De morfologia simples e de clara leitura, o edifício proposto é lido como um único volume cujos vazios anunciam a entrada à moradia ou os vãos da mesma. Face aos muros existentes delimitadores do lote que se apresentam com uma altura significante, houve a necessidade de abrir ao máximo o piso térreo contrariando o “enclausuramento” que poderia surgir com a construção. Desta forma o edifício é atravessado por dois eixos horizontais (nortesul) e (nascente-poente) ao nível do piso térreo permitindo a criação de eixos visuais que atravessam a construção e anunciam o que se encontra para além da mesma.

Cliente: António Braz     Ano de projecto: 2012     Fase: Obra em curso

Mais artigos...